terça-feira, 9 de abril de 2013

Sobre o Amor e o Divórcio

Eu não escrevi mais nada aqui durante todo esse trajeto. Agora escrevo isso, longo, mas condensado em um só texto. E prometo não mencionar mais o assunto.


Sobre o Amor e o Divórcio


Eu entendo como pessoas que amam podem abominar o divórcio. Só quem teve força e coragem para enfrentar tal situação sabe o quanto é doloroso. E ninguém que ama quer ver o outro sentir dor, ou sofrer. E ninguém que se ama quer isso para si.

O que eu não entendo é como pessoas que abominam o divórcio podem demonstrar tamanha falta de amor aos que passam por ele.

Cansei de ouvir que tenho que me submeter, que sou cruel demais, que tenho que resistir, que tenho que ser psicóloga do meu ex-marido, que tenho que dar o braço a torcer, que tenho que agradecer aos céus que um homem me queira, que eu tive sorte de tê-lo, que ele me agüentou até tempo demais. Cansei também de responder que submeter não é deixar o outro pisar sobre você, que eu queria alguém ao meu lado e não sobre nem sob mim, que resistir não é se manter silenciosamente em sofrimento, que psicóloga é meu emprego e não quem eu sou, que às vezes damos o braço a torcer e as pessoas torcem até quebrar, que tem uma fila de outros homens lamentando não terem a oportunidade que ele teve, que eu não lancei fora minha sorte ( nem ele a dele), que no suportamos mutuamente até ambos decidirmos que queríamos outras felicidades.

Mas o que não me desce pela garganta e ferve minhas entranhas é argumentar que uma mulher cristã não pode se divorciar. Isso é dar um atestado de casamento fajuto, de sofrimento imposto, de hipocrisias, de desrespeito, de falta de amor. Oh! Agora meus valores estão tão invertidos que digo que o divórcio é uma prova de amor?! Não, não estão. Mas eu também não acredito que amor tenha que ter provas. Se teve que ser provado, é porque já não existia. E, se existia, o divórcio não teria acontecido. Mas o amor próprio e a falta de amor do outro podem ter esse resultado alquímico.

Só percebo que dizer que uma mulher cristã não pode se separar é colocar no currículo no processo de seleção masculino que o melhor que ele faz é se casar com uma mulher cristã, independente da fé que ele ostenta, pois ele poderá fazer o que quiser e ter certeza de um jantar quentinho sobre a mesa, as crianças cheirosas para ele exibir e o sexo mal-feito sobre a cama. E tal figura me dá náuseas. O casamento morno, como o próprio Deus não suporta em nosso relacionamento com Ele.

Diante de Deus eu coloquei meus dilemas e o Espírito Santo que habita em mim, e me dá sabedoria e discernimento, me encheu de paz em decidir interromper meu casamento se ele me batesse, me traísse ou me repudiasse. Algumas violências sofridas foram mais dolorosas que a agressão física e ainda pior pois, por não serem visíveis, eram ignoradas e certamente eram dramas meus, chiliques de mulher mandona e exigente demais. Algumas traições, piores do que dividir o seu sexo, mas desconsideradas porque eu devia respeitar as decisões e os detalhes de sua personalidade. E o repúdio final quando, além de tudo isso, que para mim já caracterizava um repúdio, ele voluntariamente decidiu sair de casa, quando se recusou a ter uma família comigo (o casamento era pra quê, mesmo?) ou quando mandou que eu me virasse sozinha, pois quem quis ter filhos fui eu e não ele.

Preciosas mulheres de Deus tenham Deus em si e não num conjunto de regras culturais impostas pelo próprio homem! O Deus que eu conheço, o Deus que eu escolhi servir, é um Deus de Amor. Mais que isso, ele é o próprio Amor! A crueldade com que vocês julgam suas irmãs é tão voraz quanto a espada que lhes cortam ao meio nos países onde nossa fé é perseguida.

Eu não consigo acreditar que o Deus que eu sirvo iria me permitir ter a inteligência que eu tenho, pra que eu tivesse que me submeter ás decisões estúpidas dele sem poder sequer opinar antes que sejam realizadas. Também não posso acreditar que um Deus que me ama iria aceitar ver meu sofrimento e só dizer que eu me resignasse, que o desejo d’Ele era que fosse assim, quando eu, como provedora da minha casa, exausta chegasse e não tivesse nada de acolhedor para meu descanso, senão as cobranças egoístas de um homem que nada fornece, mas deseja tudo que eu puder suprir apenas para si mesmo.

Ainda assim, eu suportei tudo isso, pois fui treinada a acreditar que eu deveria fazer tudo pelos outros sem reclamar, sem esperar nada em troca, por mais que eu às vezes precisasse de apoio ou auxílio.

Eu deveria permanecer impecavelmente linda, mas entender que cada procedimento estético era totalmente egoísta de minha parte, pois consumia tempo e recursos que deveriam ser dedicados ao meu marido.

Eu deveria cuidar da minha saúde, mas deveria fazer isso sozinha e em um horário que ele já não desejasse minha companhia, sem obrigá-lo ao absurdo de me acompanhar aos inúmeros exames no hospital, nem ir com outros amigos fazer uma caminhada no parque (já que ele mesmo não queria ir), pois era fútil e inapropriado fazê-lo.

Eu precisava mudar minha alimentação, sem interferir na dele, e tomar medicamentos que me deixavam num incrível mal-estar, mas sem nunca deixar afetar meu humor quando perto dele. Em suma, eu deveria ser perfeita, me dedicar totalmente, para que me fosse concedido seu compromisso fajuto, mas não o seu amor. Eu fui treinada a acreditar que não era digna de ser amada, nem por mim mesma. Grande parte de nós mulheres fomos ensinadas desta maneira. Não devemos aceitar elogios, não devemos nunca estar seguras de quem somos, pois isso significa ser soberba e orgulhosa, precisamos sempre nos depreciar, sempre encontrar algo em que melhorar, nunca estarmos satisfeitas com nosso trabalho, com nosso desempenho em qualquer atividade, com nosso aspecto físico, com a arrumação de nossa casa. Isso não é dito, mas é cobrado.

Eu segui a cartilha, embora acreditasse que Deus estivesse talvez decepcionado comigo, por ele ter me feito tão perfeita, mas eu nunca reconhecer isto. No máximo, aceitava agradecer a Ele por eu conseguir fazer tal coisa, mesmo tão imperfeita como sou, a despeito de todas as minhas falhas. Sem reconhecer que fui sempre instrumento dos pequenos milagres operados por ele, que eu não precisava dessa perfeição.

Assim, por causa das inúmeras vezes em que fracassei em todas estas coisas que deveria fazer, meu marido fez suas malas e saiu da minha casa. E muitas vezes depois desta data, impôs em mim a culpa que eu deveria sentir, por ele ter ficado sozinho, por ele ter tido que pagar as próprias contas, por ter tido que abdicar das incontáveis horas em frente ao videogame. Afinal de contas, ele precisava curtir sua vida e isso não poderia ser feito com uma mulher tão intragável, exigente, chata ao seu lado. Ou sobre ele. Ou sob ele (o que, de fato, não era o caso).

Eu fracassei em manter o meu marido. Só mais uma prova de minhas inúmeras imperfeições. Fracassei em cuidar da minha saúde, deixei que ele me visse mal humorada, me permiti engordar demais, pedi a ajuda dele para coisas que eu podia ter feito sozinha, ou deixado sem fazer, não tinha refeições quentes quando ele chegava a casa, na verdade, não tinha nem mesmo a cama quente quando ele chegava a casa, porque eu ainda não estava lá.

Eu fui gananciosa e egoísta por que trabalhava num tempo que devia dedicar a ele, por tão ter permanecido linda para que ele me desejasse sexualmente e por ter exigido que ele ajudasse nas contas do lar para que eu pudesse trabalhar um pouco menos e não ficasse tão exausta, pudesse fazer exercícios, me dedicasse aos estudos e aos meus hobbies. Lamentável.

Mesmo assim, apesar de tudo isso, meu Deus permaneceu me amando. Tanto que me presenteou logo em seguida com amor próprio. Assim, quando um mês depois da minha separação meu ex-marido me disse que a vida dele estava melhor assim e que não via chance dele voltar para a “aquela casa”, eu não sucumbi. E mais um mês depois, quando ele passou a desejar ardentemente voltar para “aquela casa”, eu também não sucumbi.

A dor é inevitável, mas o sofrimento, este é opcional. Eu escolho não sofrer, a despeito da dor que eu sinto agora. A falta de respeito de algumas das “mulheres de Deus” a essa dor é, para mim, o testemunho da falta do amor de Deus na vida delas. Me parece aquela cultura antiga de que a mulher “largada” está suja e vai contaminar a quem passar por perto dela. Isso faz com que muitas “mulheres de Deus” se apressem em julgar e repudiar, em lugar de acolher e consolar. Como a mulher que Jesus encontrou junto ao poço, recolhendo água sozinha. Trabalhando para se manter, mas sem poder desfrutar da companhia das outras pela vida promíscua que ela levou. Quão embaraçoso deve ter sido para Cristo ter de pedir-lhe água! Será que a água também não estaria contaminada pela podridão daquela alma? Que escândalo! Alguém deveria ter corrido lá e avisado a Jesus que não falasse com aquela mulher, pois ela era “mulher falada” e já tinha tentado ser amada diversas vezes, sem sucesso. Mas Jesus, sendo o Deus de Amor que eu conheço, a acolheu, perdoou os seus pecados, livrou-a da culpa que ela certamente já sentia e deu-lhe as ferramentas para que ela um dia também superasse aquela dor.

Eu não acredito que esse Deus iria querer que eu levasse minha vida debaixo de porrada, porque "mulheres cristãs não se separam", nem humilhada e traída. O homem que bate, que fica com outras mulheres, que engana, que se aproveita, que mente, que não protege, que não cuida, que não se importa com a felicidade de sua mulher, que não se compromete, não assume responsabilidades, que não se preocupa com a manutenção da família, este já repudiou sua mulher. O que as "mulheres de Deus" esperam? Que se passe a vida inteira rastejando atrás desse homem pedindo que bata mais uma vez, engane mais uma vez, traia mais uma vez, mas não lhes deixe? É como o policial penitenciário que atira em um fugitivo pelas costas. As "mulheres de deus" iriam dizer que o policial está assumindo o risco de matar aquela pessoa. O policial ( e eu) digo que o fugitivo é quem está assumindo o risco de morrer!

Note que aqui eu uso o termo "Mulheres de Deus", mas me refiro a homens e mulheres cheios de religiosidade, mas sem a mostra de amor inevitável aos que têm o Espírito Santo em si, que usam este termo para exortar com crueldade as pessoas que tomaram decisões diversas das deles, ou que foram vítimas das decisões dos outros, como é o caso. 


Deus não me abandonou e, com seu amor, tem me ajudado a superar, inclusive, as palavras cruéis que tive que ouvir por causa da separação. Me indigna que as pessoas usem as palavras de Deus para ferir, quando deveriam o usar o amor nelas contido para sarar.
É inútil persuadir as pessoas a amarem umas as outras. E parece mais difícil ainda que as pessoas entendam que exemplos valem mais que conselhos e sermões. O amor que sinto pelas "mulheres de Deus" que estão em minha vida ao mesmo tempo me açoita, pois o repúdio delas me magoa, e ao mesmo tempo me consola, pois espero que meu exemplo de amor um dia lhes dê suporte para serem tão felizes quanto tenho conseguido ser.

Um comentário:

Anônimo disse...

Uau